Depois de vários pódios no Rali Vinho Madeira, Miguel Nunes e João Paulo sagraram-se, este fim-de-semana, pela primeira vez, os vencedores da edição 2020 da prova rainha do automobilismo madeirense.

Fruto de um trabalho excelente e minucioso, realizado nas várias sessões de testes e durante estes dois dias de competição, a dupla do Skoda Fabia R5 Evo nunca largou a primeira posição, conquistada logo no troço inaugural cronometrado, mostrando um andamento sempre muito vivo e ao ataque, quando necessário, e sabendo gerir, após o abandono do seu mais direto adversário, Pedro Paixão, por problemas de motor.

Depois de três vitórias consecutivas (2017, 2018 e 2019), Alexandre Camacho só na fase final da prova organizada pelo Club Sports Madeira conseguiu ter o Citroën C3 R5, em condições que o permitissem rodar entre os mais rápidos, contudo já distante de um novo triunfo, beneficiando do abandono de Paixão, que mais uma vez não teve a sorte do seu lado no Rali Vinho Madeira, para ascender à segunda posição final, navegado por Pedro Calado.

No último lugar do pódio surgem Jose Maria Lopez e Borja Rozada, que, neste regresso à região, também não se encontrou ao longo de toda a prova com o Citroën C3 R5, embora, tal como Camacho, mostrou que com uma afinação perfeita de «setup» tinha conseguido dar dores de cabeça à concorrência mais direta, acabando ainda por vencer duas especiais de classificação.

Bruno Magalhães e Carlos Magalhães vieram à Madeira recolher pontos importantes, no que ao Campeonato de Portugal de Ralis diz respeito, pois venceram e levam para casa o quarto posto à geral, numa prova de superioridade face aos restantes pilotos continentais, a bordo do Hyundai i20 R5, tendo ainda se intrometido numa luta com Lopez durante o dia de hoje.

Depois de várias provas com o Citroën DS3 R5, João Silva e Victor Calado apostaram num projeto mais arrojado para esta edição do Rali Vinho Madeira, estreando-se aos comandos de um Skoda Fabia R5 Evo, e apesar de terem acusado a falta de ritmo e os poucos quilómetros realizados em testes, conseguiram vencer Ponta do Sol 2 e alcançar a quinta posição final.

Sexto lugar para José Pedro Fontes, noutro Citroën C3 R5, uns furos abaixo de outros andamentos evidenciados na região, amealhando importantes pontos do lugar intermédio do Campeonato de Portugal de Ralis, tendo a seu lado Inês Ponte.

Depois da desistência na Calheta, Armindo Araújo voltou a não ser feliz, desta feita com outro chassis Skoda Fabia R5 Evo, leia-se viatura de testes da equipa, que não esteve nas suas melhores condições mecânicas, impossibilitando o atual campeão nacional de ralis, de lutar pela vitória no CPR, sendo sétimo classificado à geral. Contudo permanece na liderança do nacional, juntamente com Luís Ramalho.

Oitava posição para Ricardo Teodósio e José Teixeira, que a bordo do Skoda Fabia R5 Evo, não conseguiram ser rápidos na região, acabando por levar “a água ao seu moinho”.

Fecharam o «top-ten», Pedro Meireles (Volkswagen Polo GTI R5), que voltou a estar bastantes furos abaixo da concorrência e Filipe Freitas (Porsche 991 GT3 Cup), este último vencedor nos RGT e bastante aplaudido durante as suas espectaculares passagens, principalmente nos troços deste último dia de competição.

Para visualizar a classificação final, clique aqui.

O Campeonato da Madeira de Ralis prossegue com o Rali da Ribeira Brava nos dias 25 e 26 de Setembro.